FANDOM


colspan="2" class="topo bd" style="text-align: center; font-size: larger; color:white; background-color:Predefinição:MCor; padding: 0px; -moz-border-radius-topright:3px; -moz-border-radius-topleft:3px;" | Predefinição:Ifempty

Predefinição:!- Predefinição:Info/top

Predefinição:Ifempty

Predefinição:!-

Predefinição:Info/txt


Predefinição:Info/txt




Predefinição:Info/txt

















Predefinição:Info/txt

















Predefinição:Info/txt






Predefinição:Info/txt




Predefinição:Info/txt















































Predefinição:Info/top Predefinição:Info/txt










Predefinição:Info/top











































































































































































































































































































































































colspan="2" style="text-align:center; color:white; background-color:Predefinição:MCor; text-align:center;" | Predefinição:Info/rodapé

Predefinição:!-

colspan="2" style="text-align:right; color:white; background-color:Predefinição:MCor; text-align:right;" | Predefinição:Tnavbar

Predefinição:!-

Areia Hostil é o nome da primeira revista independente de publicação regular em quadrinhos da cidade de Rio Grande. Esta revista é caracterizada como um prozine[1][2], uma publicação comercial dirigida a um universo de fãs.[3]

História Editar

Origens Editar

Após a conclusão de um curso de histórias em quadrinhos chamado Top Comics, ministrado pelos artistas rio-grandinos Alexandre Cozza e Laurício Tissot (conhecidos respectivamente como Lorde Lobo e Law Tissot) surgiu a idéia de uma publicação independente[4]. Alguns alunos, dentre eles Luciano Canteiro, Ozi, Carlo Diego e Sheila, sentiram a necessidade de um espaço para a publicação de suas histórias em quadrinhos em Rio Grande.[5]

O título, "Areia Hostil", é uma referência a primeira estrofe do hino da cidade do Rio Grande[6].

Publicação Editar

A primeira edição da revista foi lançada no dia 8 de fevereiro de 2001 na Feira do Livro da FURG no Balneário Cassino. Esta edição contou[7] com as histórias de Lorde Lobo com seu personagem "Top Man", Ozi com Os Loucos e "Sanatórios e Sanitários", Luciano Canteiro com "Poder e Glória", Wagner Freitas com "O S amargo do Amor", Sheila de Souza com "2030", Denis Hellembrandt com "Mundo Cão", Carlo Diego com "Wild" e Law Tissot com "A Cidade Cyber nunca dorme…".

Tendo obtido sucesso suficiente para financiar a si própria[5], a publicação continuou. As primeiras oito edições possuíram 48 páginas.

Em Setembro de 2003, foi lançada a sétima edição[8]. Em Janeiro de 2004, durante a XXXI Feira do Livro da FURG, na cidade do Rio Grande, foi lançada a oitava edição[9]. Em Maio do mesmo ano, a nona edição[10] representou um aumento na quantidade de páginas da publicação, que passaram de 48 para 52 páginas[10]. A décima edição, publicada em Setembro, teve seu editorial assinado por Sidney Gusman[11].

Durante os primeiros 4 anos de existência as capas da Areia Hostil eram serigrafadas, com aspecto amador. A partir da 12ª edição a revista passou a ser em Off-Set[12], buscando diminuir essa impressão e tornar a publicação mais atrativa[13]. A décima-terceira edição[14] foi também lançada em 2005.

A revista teve suas últimas duas edições publicadas em 2006. A décima-quarta edição fora originalmente planejada para janeiro daquele ano, mas só foi lançada em abril[15], contando com a colaboração de Júlio Shimamoto na história O rejeitado. A décima-quinta edição foi inclusive distribuída nas bancas de Rio Grande[16], assim como havia ocorrido anteriormente.

Artistas Editar

Dentre os artistas que colaboraram com a publicação, incluem-se: Adão Iturrusgarai, Anderson Cossa[17], Carlo Diego[7], Domênico Gay[12], Edgar Franco[17], Flávio, Greifo, Ronnie Peterson, Law Tissot, Lorde Lobo[7], Miqüin, Odyr Bernardi, Orlandeli, Ozi[7], Vagner Francisco[10], Juliano Botti[16], Gerson Witte[12], JJ Marreiro, Leonardo Santana, Mauro Barbieri[16], Emir Ribeiro[18], Toni Francis, Gazy Andraus, Samuel Bono, All Silva[12], Denis Hellembrandt, Matheus René, Luciano Canteiro, Sheila de Souza, Wagner Freitas[7], Nel e Julio, Stelle (como Stael), Eduardo Manzano, Jottas e Júlio Shimamoto[19].

Repercussão e continuidade Editar

Em 2006 no SESC Pompéia em São Paulo, a Areia Hostil ganhou o Troféu HQ Mix como melhor prozine do Brasil.[2][1][20]

Após a publicação da décima-quinta edição, a revista não teve novas edições publicadas, mas alguns de seus colaboradores permaneceram no mercado. Alexandre Cozza, o Lorde Lobo, decidiu abandonar o estilo humorístico que havia caracterizado seu trabalho e criou o personagem Penitente[21] e o personagem Val, criado pro Vagner Francisco e surgido na publicação, continuou a ser publicado de forma independente[22] e a história Revolução, publicada em capítulos entre as edições 10 e 13, foi compilada num novo volume, lançado em 2008[23], também de forma independente.

Predefinição:Referências

Predefinição:Bibliografia Editar

Ligações externas Editar

Predefinição:Esboço-revista-bd Predefinição:Portal3


Erro de citação: existem marcas <ref>, mas nenhuma marca <references/> foi encontrada